Cromoterapia: cores trazem efeitos diversos no quarto do bebê5 minutos de leitura

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest

Técnica milenar pode influenciar o sono, o apetite e o comportamento dos pequenos.

A cromoterapia, também conhecida como terapia das cores, é o estudo do efeito das cores sobre as pessoas. Trata-se de uma técnica milenar que busca equilibrar mente, emoção e corpo físico e pode ser aplicada para a decoração do quarto dos bebês. Cada cor tem um significado e vale estar atento a isso no momento de montar o cantinho dos recém-nascidos.

Como enfatizado pela Associação Brasileira de Terapeutas Holísticos (Abrath), a cromoterapia é um conhecimento utilizado em hospitais de todo o globo, inclusive no Brasil, como uma terapia complementar. Sua aplicação no ambiente infantil pode influenciar diretamente o estado de ânimo dos bebês, já que eles são sensíveis aos estímulos externos.

Um quarto aconchegante e imersivo, pensado a partir do significado das cores, pode influenciar o sono, o apetite e o comportamento dos pequenos. No momento da decoração, uma dica é recorrer à criatividade e usar as cores por meio do papel de parede para quarto de bebê, por exemplo.

O significado de cada cor

Cromoterapia o que é
Cores podem ter grande influencia para as crianças. Foto: Pixabay

A escolha pela cor adequada para o quarto do bebê deve levar em consideração o objetivo a ser atingido, já que cada cor representa um estímulo diferente. O azul claro é considerado a cor da tranquilidade, possui propriedades calmantes, pode diminuir o medo e a sensação de aflição no bebê.

O verde é tradicionalmente uma cor que proporciona harmonia, estimula a saúde e remete à natureza. Já o lilás está relacionado à espiritualidade do ambiente e tem efeitos calmantes tanto para o bebê quanto para a mãe. O rosa claro emana diversos sentimentos positivos e de afeto para as relações mãe-bebê.

Cores mais quentes, como vermelho, amarelo e laranja são estimulantes mais intensos e devem ser usadas com parcimônia, pois podem despertar agitação. Contudo, são opções que, em tons mais tênues, funcionam bem para cômodos como quartos de brinquedos ou para detalhes, como cortina, quadro infantil e objetos que possam ser trocados de lugar periodicamente.

Veja também: A influência das cores na decoração das crianças

Decoração de acordo com o significado das cores

Alguns exemplos de decoração do quarto dos bebês podem ser pensados a partir do significado de cada cor. A combinação entre o branco, o azul e o cinza pode trazer elegância, suavidade, paz e aconchego. É preciso ter cuidado com tons de azul escuro, pois dependendo da forma como são utilizados, podem trazer tristeza.

Um quarto que mescle tons claros de rosa e branco traz a sensação de vários sentimentos bons para além do amor e do romantismo. Aqui também requer atenção, porque há chances de os tons escuros de rosa, a médio e longo prazo, despertarem sentimentos como irritabilidade no bebê.

Outro exemplo é o quarto com tons de verde, cor conhecida pela sua conexão com a natureza. A dica é usá-la junto com uma decoração que reforça essa ideia, a partir de desenhos de árvores e de folhas. O verde desperta tranquilidade, descanso e segurança e pode ser combinado com o cinza e o branco para um ambiente acolhedor.

Veja também: Combinando Cores Amarelo e Cinza

Uma técnica milenar

Pesquisadores do departamento de Física da Universidade de Balochistan (Paquistão) analisaram a cromoterapia e a sua evolução científica. A partir dos estudos, eles a definiram como um “método de tratamento que usa o espectro visível (cores) da radiação eletromagnética para curar doenças”.

De acordo com a pesquisa, utilizar cores com objetivos medicinais é algo tão antigo quanto qualquer outra técnica. A técnica remonta ao tempo dos egípcios, que trabalhavam com a luz do sol e com as cores para curar certas enfermidades. Já o uso da cor como medicina vem sendo investigado desde o ano 2000 antes de Cristo.

A cromoterapia é reconhecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como terapia complementar ou alternativa para aliviar as dores. A ciência comprovou que as células do corpo humano estabelecem comunicação com a luz solar, que engloba todo o espectro de cores e estimula os processos bioquímicos no organismo.

Com as descobertas, a cromoterapia passou a ser aplicada na medicina moderna. Um exemplo é a fototerapia, usada no tratamento da icterícia neonatal, em que o recém-nascido deve ser exposto aos raios de luz da cor azul. A psoríase e a acne, que são doenças de pele, também podem ser tratadas a partir da exposição dos pacientes a radiações de luz ultravioleta.

Leia também: Combinando Cores Roxo E Branco

Nomes importantes para a cromoterapia

Diversos pesquisadores investigaram o uso e os efeitos das cores para o bem-estar das pessoas. O médico e diretor do Instituto Sarasota, na Flórida, USA, John Ott estudou o efeito das cores sobre tumores cancerosos e escreveu o livro “Health And Light”.

Outro nome importante é o de Niels Finsen, médico em Copenhague, Dinamarca, autor do livro “Propriedades Actínicas da Luz do Sol”. Foi fundador do Instituto da Luz, que trata de pacientes com tuberculose, trabalho que lhe rendeu o Prêmio Nobel em 1903.

No Brasil, quem impulsionou a divulgação da cromoterapia como ciência médica-energética foi o jornalista, conferencista e professor, René Nunes. Ele escreveu diversos materiais sobre o assunto, como o livro “Cromoterapia – a cura através das cores”.

Avalie este artigo

5/5 - (1 vote)

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.